Polícia Civil faz orientação com objetivo de prevenir o desaparecimento de crianças no Paraná

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) promove evento com o objetivo de instruir pais e crianças sobre como prevenir, ou até mesmo proceder, em casos de desaparecimento de crianças. A ação acontece em alusão à Semana Nacional de Busca pela Criança Desaparecida, que acontece em todo o Brasil de 25 a 31 de março. Somente em 2018, a Polícia Civil do Paraná registrou 430 casos de desaparecimento de crianças no Estado. Todos foram solucionados.

A Polícia Civil informa que possuí um sistema de monitoramento ativo, que funciona 24 horas por dia. Qualquer registro relacionado ao desaparecimento de crianças em todo o Paraná é acompanhado em tempo real. Assim, todas as medidas são adotadas de forma imediata e as investigações prosseguem com intensidade e rapidez. A PCPR ressalta ainda, que as investigações que envolvem o desaparecimento de crianças sempre são trabalhadas de forma intensa e minuciosa para que possam ser rapidamente solucionadas e a criança seja devolvida com segurança aos pais ou responsáveis.

Por outro lado, a Polícia Civil também tem realizado ações a fim de orientar crianças sobre as consequências negativas que podem acontecer ao colocar-se em situações de risco. Entre estas situações, a Polícia elenca atos rotineiros, como não atender orientações dos pais; ficar sem comunicação com pais; manter contato com pessoas desconhecidas e até fugir de casa.

A ação da Polícia Civil do Paraná acontece na terça (26), das 9h00 às 15h00, na Rua Luiz Xavier (Boca Maldita), no centro de Curitiba. Durante o evento, serão distribuídos diversos materiais infantis, como gibis e cartilhas para colorir, bem como materiais educativos para pais e responsáveis, com o intuito de orientá-los acerca dos cuidados com a segurança de seus filhos.

Saiba o que fazer no caso do desaparecimento de crianças ou adolescentes

1. Meu filho desapareceu, o que devo fazer? Procure a delegacia mais próxima de sua residência e registre o Boletim de Ocorrência.

2. Quanto tempo preciso esperar para procurar uma delegacia e fazer o Boletim de Ocorrência?
Não precisa esperar, procure a delegacia imediatamente para registrar o Boletim de Ocorrência.  É um direito do cidadão garantido pela Lei nº 11.259/2005, conhecida como “Lei da Busca Imediata”.

3. Se a policia se negar em registrar o Boletim de Ocorrência, o que faço? Procure o Ministério Público de sua cidade ou Conselho Tutelar para garantir o seu direito. Você pode denunciar também através  do Disque Direitos Humanos – 100, essa violação de direito.

4. Quem pode inserir casos no Cadastro Nacional? Qualquer pessoa pode registrar um caso de desaparecimento no Cadastro Nacional.

5. Quem pode dar baixa no Cadastro Nacional caso o desaparecido seja localizado? Após a confirmação da localização de uma criança ou adolescente desaparecido a Equipe Técnica Local/Nacional será a responsável pela baixa no Cadastro Nacional.

6. Se o meu filho/filha que estava desaparecido retornou para casa o que devo fazer? Se uma criança ou adolescente desaparecido retornar para casa ou for localizado é importante ir até a delegacia onde foi feito o Boletim de Ocorrência para que seja dada a baixa no BO. Comunique também ao Conselho Tutelar.

7. Localizei uma criança ou adolescente registrada no Cadastro Nacional como devo proceder?
Procure imediatamente a delegacia de policia  mais próxima e informe o ocorrido dando os detalhes que presenciou. Comunique também ao Conselho Tutelar. Se preferir acione o Disque Direitos Humanos – 100. A ligação é gratuita e sigilosa.

8. É necessário ser da família para fazer o registro de um caso no Cadastro Nacional? Não é necessário. Qualquer pessoa pode fazer o registro, mesmo não sendo da família. É importante ter o maior número de informações possíveis. Será feito um cadastro para dar acesso ao registro. Tenha também uma fotografia da criança ou adolescente desaparecido. O Cadastro Nacional divulga além dos dados a imagem da criança ou adolescente desaparecido.

9. Posso fazer o registro no Cadastro Nacional sem ter feito ainda o Boletim de Ocorrência? Pode sim. No registro no Cadastro Nacional mesmo sendo solicitado o número do Boletim de Ocorrência não impede que o mesmo seja validado. Salientamos que é importante o Boletim de Ocorrência para desencadear a investigação policial.

10. Posso não autorizar a coleta de material de DNA? Sim. A família pode ou não autorizar a coleta de DNA para o Banco Nacional de DNA. Não é condição para o registro do caso no Cadastro Nacional.

11. Posso informar ao Cadastro Nacional a localização de uma criança ou adolescente desaparecido? Sim. Se você tiver informações envie por email para o endereço cadastrodesaparecidos@sdh.gov.br. Após a informação validada será baixado o registro no Cadastro Nacional. É importante que seja informada a Delegacia onde foi feito o Boletim de Ocorrência para que a mesma encerre a investigação se a localização não foi feita pela policia.

Fonte: Polícia Civil do Paraná e CEDCA. Foto: Divulgação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s